O Digaí publicou um post sobre “Os jovens estão abandonando o Facebook”, que em outras palavras fala sobre “a queda” da toda poderosa rede social. Aqui no Brasil, alguns profissionais também acreditam em um declínio dos acessos à rede, como podemos ver nesse infográfico. O fato é que Princeton, universidade conceituada nos USA, publicou um estudo – um relatório na verdade – sobre o fim do Facebook.

 

Os dados apresentados são baseados/argumentados pelo princípio das buscas realizadas no Google. “O Facebook atravessará um rápido declínio nos próximos anos e perderá 80% de usuários entre 2015 e 2017”, disseram os doutorandos em Princeton.

 

O fato também é que, obviamente, o Mark Zuckerberg não gostou do que ouviu. Ele convocou sua equipe de analistas, ativou o sarcasmo e resolveu responder à altura. Seguindo o mesmo princípio de estudo, o Facebook fez um outro relatório para explicar o que estava acontecendo. Logo de cara, mostraram que a Universidade de Princeton perde em curtidas para a de Havard. Além disso, afirmou que a quantidade de artigos publicados da Princeton vem caindo bastante. E não satisfeito, ele ainda mostra uma correlação entre o termo “Princeton” no Google ao número de estudantes na instituição: “Esta tendência mostra que Princeton terá apenas a metade de suas matrículas atuais em 2018 e, em 2021, não terá mais nenhum aluno.

 

Ainda no mesmo relatório dos analistas do Facebook, ele fala que não se pode acreditar que qualquer pesquisa que apareça, pois, se utilizados princípios analíticos errados, o risco de conclusões equivocadas é certo. Então finalizam dizendo: “Estamos preocupados com a Universidade de Princeton, mas estamos ainda mais preocupados com o destino do planeta. Afinal, as pesquisas no Google do termo “ar” também caíram de forma significativa. Se continuar assim, nossas projeções mostram que para o ano de 2060 não haverá mais ar no planeta“.

 

Sinceramente não sei a vida útil da rede social ou se ela vai acabar… É mais vidência do que projeção, análises ou estudos. Certo mesmo é que ela vai mudar, ou vem mudando. Uma ou outra alteração, um ou outro ajuste nos algoritmos e por aí vai. É claro que vai chegar um tempo que a adesão ao Facebook vai cair, assim como a evasão também acontecerá. Isso acontece com todo tipo de consumo. Nós, como seres humanos, temos a capacidade de “enjoar” das coisas. Não gosto de comparações, apesar de invitáveis, entre o Facebook e o Orkut. Quando falam que “veja o Orkut, o que ele foi e o que ele é. Toda rede social tem sua validade temporal”, não vejo uma comparação justa. Pois, são tempos diferentes, conhecimentos diferentes, ideias massivas diferentes.

 

Qual sua opinião sobre isso?