Após me inscrever na Campus Party, considerada o maior evento de inovação tecnológica do mundo e que acontecerá no Recife entre os dias 17 à 21 de julho, comecei a receber diversos e-mails com informações sobre o evento, vendo um desses e-mails em especial, tive a oportunidade de conhecer o projeto Comprometa-se, iniciativa conjunta da Fundação Príncipe de Girona, da Fundação Teaming e da própria Campus Party, que acredita “que a tecnologia sempre serve para criar ‘algo melhor’”.

.

Tal projeto de cunho social se propõe a fazer com que cada usuário que se cadastre e assim possa se comprometer a realizar determinada atitude em prol de alcançar alguma melhora social. Com isso, o projeto cria uma rede social de compromissos e atitudes que funciona por meio dos compromissos firmados pelos próprios usuários e pelas atitudes que serão tomadas por eles, buscando alcançar esses compromissos que, quando somadas, possuem o potencial de modificar significativamente a sociedade em que vivemos.

.

O projeto comprometa-se é uma ideia que já nasce revolucionária pelo que se propõe. É uma iniciativa que pode gerar inúmeros bons frutos e que permite a tão almejada união entre a sociedade civil, as universidades e a própria iniciativa privada na busca por um desenvolvimento sócio-econômico, ou seja, um desenvolvimento que não tenha em vista apenas o lado do crescimento econômico, mas também critérios de desenvolvimento sociais, que permitam uma melhor qualidade de vida para todos os membros da sociedade (demanda essa que vem aparecendo tão forte nas manifestações que tomaram o país nos últimos dias).

.

Ao final do e-mail enviado pela Campus Party, uma nota ainda esclarece um pouco mais as áreas de atuação do comprometa-se: “Te convidamos para que visite compromuevete.org e inscreva o seu compromisso em qualquer uma dessas áreas: #edu#biz#job#social,#culture#sci y #tech.”

.

Será que esse projeto conseguirá um forte comprometimento dos agentes que podem promover essa mudança social? Será que esses compromissos realmente sairão do papel, passando para o plano da ação e terão a possibilidade de mudar a sociedade para melhor? O que podemos pensar sobre o comprometa-se?