De acordo com o relatório Webshoppers 37, realizado pela Ebit, mais de 60 milhões de consumidores comprarão virtualmente este ano, movimentando cerca de R$ 53 bilhões e impulsionando o crescimento de 12%. O ano de 2018 tem como grande evidência o e-commerce, que estimula a economia brasileira cada vez mais.

estudo aponta tendencias ecommerce primeiro trimestre

Pesquisa Nuvem Shop

A Nuvem Shop produziu um levantamento com o objetivo de acompanhar as tendências do segmento e destacou os dados que possibilitam avaliar as principais tendências do primeiro trimestre deste ano. Segundo a pesquisa, o número de lojas virtuais criadas entre janeiro e março passa de 107% em relação ao mesmo período de 2017. As áreas que mais cresceram foram a de moda (148%), alimentos e bebidas (194%), saúde e beleza (117%), e eletrônicos e tecnologia (44%).

A pesquisa ainda aponta um aumento significativo no ticket médio entre 2017 e 2018, totalizando 48%. Dentre os maiores tickets médios deste ano estão os dos segmentos de esportes (R$ 887), máquinas e equipamentos (R$ 535), eletrônicos e tecnologia (R$ 494) e antiguidades (R$ 487). Entretanto, o maior destaque é a área de viagens, onde o valor chega a R$ 3.540.

estudo aponta tendencias ecommerce primeiro trimestre 01

Aumento do mobile

Como você viu aqui no Digaí, o uso dos dispositivos móveis para realizar compras online não para de crescer. As transações através dos celulares já são responsáveis por 50% dos resultados do mercado, um crescimento de 10% em relação à mesma pesquisa de 2017.

O estudo revela também que o percentual de receita dos lojistas virtuais aumentou 13%, enquanto o ticket médio das vendas via mobile foi de R$ 377. No primeiro trimestre de 2018, os negócios de moda obtiveram o maior volume de transações: 53%, seguido de saúde e beleza com 12% e casa e jardim, com 3%.

Os resultados da pesquisa foram extraídos dos lojistas que fazem uso da plataforma de serviços de comércio eletrônico da Nuvem Shop, que tem quase 20 mil lojas movimentando o mercado online.

E aí, amigo, animado com o futuro do e-commerce no Brasil?