Aos poucos o Brasil volta a apresentar números que mostram a leve mas crescente recuperação econômica. No último mês de outubro, por exemplo, foi constatado que houve mais admissões do que demissões. Esse fato ocorreu pela oitava vez no ano, sendo essa a sétima de forma consecutiva.

Segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgado no dia 20 de novembro pelo Ministério do trabalho, foram registradas 1.187.819 admissões e 1.111.220 demissões. Um saldo de 76.599 novas vagas, com o varejo sendo o segmento com maior número de contratações.

varejo garante alta empregos outubro

Resultado do levantamento

Se forem contabilizadas todas as admissões e demissões ocorridas desde o mês de janeiro, o país ja soma 302.189 novos postos de trabalho, fato que anima aqueles que estão atrás de emprego. A previsão é que o número ainda aumente, já que o fim do ano impulsiona a contratação temporária devido à alta de vendas ocasionadas pelo natal.

O Caged também revelou que o resultado obtido no mês de outubro foi o melhor desde 2013, quando foram registrados 94,8 mil novos empregos. Os segmentos que mais movimentaram o mercado de trabalho foram comércio, indústria da transformação e serviços, sendo responsáveis pela maior parte das vagas.

varejo garante alta empregos outubro 01

Regiões com mais contratações

Das cinco regiões do país, quatro apresentaram números positivos, sendo o Nordeste a com melhores resultados, fato que também ocorreu em setembro. Foram 37.801 novos postos nessa região, 21.444 na região Sul, 13.552 no Sudeste e 4.210 na região Norte. Apenas o Centro-Oeste apresentou decréscimo de 408 pontos de trabalho.

O saldo positivo no comércio foi de 37.321 novas vagas, sendo superior à quantidade de novos postos que ocorreram no mês de setembro. Desse total, 30.183 foram geradas pelo Varejo e 7.138 pelo Comércio Atacadista. Somados, eles representam aproximadamente 48% do número total de novos postos de trabalhos gerados no mês de outubro.

E aí, amigo, você acha que a tendência é o mercado continuar com mais contratações que demissões?