Olá gente do bem!

 

Começo o post de hoje fazendo um convite para viajarmos no tempo e voltarmos em 2008. Quem aqui não se lembra do falecido Orkut? Da página de scrap, comunidades, depoimentos e a possibilidade de visualizar quem havia visitado recentemente o seu perfil? Nostalgia? Total né! rs

 

Trouxe esta lembrança pra resgatar a queda da popularidade desta rede social, que perdeu espaço de forma rápida e cedeu seu lugar para o Facebook. Como tudo na vida tem prazo de validade, as redes sociais e os serviços de internet não são diferentes. Eles seguem uma curva de crescimento e em seguida de queda.

 

Atualmente, algumas redes sociais sobrevivem mais tempo, sendo responsáveis pela distribuição de conteúdo e até posicionamento de várias marcas, como é o caso do Facebook, Twitter e YouTube. No entanto, pesquisas indicam que o site de Mark Zuckerberg deve perder 80% dos usuários até 2017. E pra onde será que essas pessoas irão? Tudo indica que as redes sociais de nicho.

 

 

Universo particular

 

Afinal, o que as redes sociais segmentadas se diferenciam das tradicionais que conhecemos? Assuntos específicos, a reunião de pessoas com mesmos interesses são alguns dos diferenciais dessas redes. Elas atendem gostos peculiares a um grupo e temas que o envolvem.

 

Segue abaixo algumas dessas delas. Tem rede social pra todo tipo de gosto: religião, moda, viagens, animais de estimação, livros e diversas temáticas.

 

FaceGlória: é uma rede social similar ao Facebook criada em junho de 2015 e que já conta com mais de 200 mil membros. A plataforma foi pensada para atender o público evangélico. A finalidade de ter esta rede específica é ser cristão sem gerar polêmicas, que poderiam ser ocasionadas em redes sociais tradicionais.

 

Scarpin: aplicativo voltado ao público feminino. Nela, as usuárias podem compartilhar o look que usam diariamente, dar sugestões de roupas, votar nas melhores combinações, além de contar com vários outros recursos.

 

Skoob: os amantes da leitura podem achar na rede social diversos books. Se você é viciado em livros irá se identificar! O Skoob oferece ferramentas como a “meta de leitura”, que mostra uma média de páginas lidas por dia. Também é possível registrar livros lidos, os que estão em andamento e desistências, além de avaliações e resenhas de títulos — tudo de graça.

 

Weduary: pretende conectar os convidados entre si antes do grande dia, em uma espécie de rede social. Ela reúne noivas e interessados em preparação de casamentos. Por meio do Weduary, o convidado sabe, por exemplo, quais de seus amigos vão à festa.

 

Kickoff: O app é também conhecido como o “Tinder e é ideal pra quem busca namoro sério”. Por meio de uma integração com o Facebook,  o Kickoff rastreia os contatos e inicia a exibição de possíveis parceiros e suas características pessoais, como escolaridade, emprego e religião. O usuário só entra em contato com amigos de seus amigos, e a quantidade deles é limitada por dia — não passa de 10. Para utilizar, basta fazer o download do app no celular disponível no Google Play e Apple Store.

 

Mondamily: reúne homens e mulheres que desejam ter filhos sem que haja um relacionamento amoroso. O espaço oferece uma uma Parceria de Paternidade e Coparentalidade: um homem e uma mulher que irão juntar seu material genético para gerar uma criança! Sem que haja relacionamento afetivo, sem casamento, sem rancor.

 

Luxy: para entrar nessa rede social o usuário tem que estar disposto a pagar caro. O pacote de um mês de uso custa US$ 99,99, cerca de R$ 315,00. Se você se encaixa no requisito de ser rico e bem-sucedido, esta é sua rede. Apesar de promover encontros entre ricos e milionários, o aplicativo é aberto para quem quiser acessá-lo. As únicas restrições são possuir uma conta no Facebook, ter smartphone Android ou iOS e estar disposto a pagar o valor salgado estabelecido pela plataforma.

 

Catmoji: uma plataforma para catlovers. A missão da rede é “tornar a internet um lugar melhor e mais feliz com gatos”. A comunidade reúne pessoas que curtem os bichanos, e elas podem compartilhar fotos e vídeos e criar um avatar (ou catvatar) para seu bichinho.

 

Ello: É uma rede social pra quem gosta de privacidade e discrição. Se você detesta ter seus dados particulares usados por redes sociais, a Ello é uma alternativa interessante. A rede não vende anúncios nem dados dos usuários para terceiros e nem a divulgação de anúncios. Para entrar na rede social é preciso de convite.

 

Petts.me: voltada para aqueles que querem adotar um cão ou gato ou ainda divulgar fotos e informações de animais perdidos.

 

Tindog: papais e mamães caninos podem usar este aplicativo para achar usuários também apaixonados por cães. É uma espécie de “Tinder para cachorros”. Uma vez instalado, o app permite conversar e trocar fotos dos pets em tempo real, além de marcar encontros.

 

Check-in Beer: o Check-in Beer permite compartilhar sua localização com os amigos e fazer o registro de sua presença em bares. Como o nome sugere, ele é destinado aos amantes da cerveja e do chope que, ao visitarem um local, podem avaliar itens como a temperatura da bebida e o atendimento recebido.

 

Moovz: voltado para um público LGBT o Moovz permite dividir experiências com os amigos, encontrar pessoas próximas com interesses em comum por meio de GPS e usar a ferramenta “momentos” para acompanhar assuntos relevantes. O aplicativo é grátis e está disponível para dispositivos móveis e computador.

 

SexSquare:  o SexSquare é um aplicativo de rede social brasileiro que tem como objetivo registrar locais indicados para se fazer sexo, além de avaliar a qualidade dos parceiros.

 

OnGood: criada para ONGs de todo o mundo, a rede social funciona como uma espécie de Facebook. Os membros são cadastrados em um diretório de pesquisas, podem criar páginas de perfil para mostrar as causas nas quais são engajados, compartilhar informações, links e coletar doações que vão diretamente para a conta da organização.

 

Thumb: aplicativo gratuito possibilita ouvir a opinião de amigos. É uma rede para quem quer dar ou ouvir conselhos. O processo é simples: você cria uma enquete sobre o quiser (”o que você acha da nova cor do meu cabelo?”, por exemplo.

 

É rede pra caramba!!!

 

 

Redes Segmentadas x Facebook

Mas será que é possível que essas redes segmentadas alcancem sucesso equivalente ao do Facebook?

 

Como é possível acompanhar ao longo do tempo, os negócios migram no mundo digital. A inteligência de marketing da empresa é peça chave para estabelecer o tempo útil de vida de uma rede social.

 

O Facebook conseguiu até o momento acompanhar as necessidades do público. Tem espaço pra quem quer jogar, pra quem quer investir, publicar situações do cotidiano, mas também falta espaço para um público jovem, que prefere um snapchat, instagram ao “o face chato”, onde familiares ficam ali monitorando seus passos.

 

Tudo é estratégia. Identificar espaços e realizar fusões para permanecer no mercado. A rede de Zuckerberg está dançando conforme a música. Angariando mercados que crescem. A aquisição do Instagram e Whatsapp é prova disso.

 

E você, conhece mais alguma rede social segmentada além das citadas nesta postagem? Digaí nos comentários! Até a próxima povoooo!!! =D