Quanto tempo você gasta lendo notícias em sites na internet? E quanto tempo você passa no Facebook? A rede social de Mark Zuckerberg quer unir as duas atividades e mudar a forma como você se informa online. Essa é a ideia por trás do Instant Articles, lançado esta semana.

 

A partir de agora, site de notícias parceiros terão seus conteúdos exibidos diretamente dentro do Facebook. A mecânica é a mesma com a qual já estamos acostumados. Você vai navegar no Facebook, ler posts de amigos e bobagens, e quando topar com uma notícia interessante, vai clicar nela. Só que aí, ao invés de o link levar você para a página do veículo, o conteúdo vai abrir dentro do Facebook mesmo.

 

Quais são as vantagens?

 

A grande diferença para os usuários é que, com o Instant Articles, as matérias publicadas via Facebook poderão ser muito mais interativas. Entre as possibilidades estão fotos em alta resolução que podem ser exibidas em zoom bem próximo, vídeos que tocam automaticamente quando usuário rola a página, mapas interativos, entre outras.

 

No lançamento, veículos de notícias importantes como o New York Times, a National Geographic, a BBC e o Spiegel já estavam produzindo conteúdo para o Instant Articles. Para iniciar os trabalhos, o New York Times publicou esta matéria sobre a ginasta brasileira Lais Souza. Uma lindeza!

 

Por enquanto, a novidade só está disponível para usuários de iPhone, mas aguardamos o Instant Article para Android em breve.

 

Mas é bom para o jornalismo? É bom para os usuários?

 

Depois do lançamento do Instant Articles, alguns especialistas demonstraram preocupação. A principal crítica é que o Facebook se tornaria um gigantesco “gatekeeper” de notícias. Isso sem ser um veículo de mídia e sem ter qualquer jornalista / editor trabalhando na ferramenta. Mas é importante lembrar que, até o momento, a curadoria de conteúdo é de responsabilidade dos veículos e não da rede de Zuckerberg.

 

Para o usuário, as vantagens são bem claras. Menos cliques e notícias que abrem bem mais rápido (daí o nome “artigos instantâneos). Outro ponto positivo menos óbvio é que a novidade deve se tornar uma forma de receita enorma para o Facebook, já que os veículos de notícias pagam para exibir seus conteúdos via Instant Articles. Assim, o usuário fica livre de outras formas de monetização mais invasivas como posts patrocinados e anúncios.

 

O que vocês acham da ideia de ler notícias dentro do Facebook? Digam para a gente!