No último dia 27.11, aconteceu em SP, no auditório da Insper, a 2ª Convenção da Anjos do Brasil. Com auditório lotado de empreendedores, investidores e diversos palestrantes – que em painéis discutiram desde o perfil do investidor-anjo no Brasil até os critérios utilizados para que os estes façam seus investimentos em Startups. Meu objetivo neste post é passar os melhores momentos para quem não esteve lá!

 
Cassio Spina, fundador da Anjos do Brasil, iniciou com uma excelente provocação sobre alguns mitos que existem sobre o investimento-anjo no Brasil, mostrando que apesar do volume de investidores-anjo ter permanecido na casa dos 6.500 investidores, o volume de recursos aumentou, nos últimos 2 anos, em uma taxa de 10% a 25% e que o valor médio investido/ano está em torno de R$ 100.000, porém, com potencial de R$ 220.000, demostrando que bons projetos não estão chegando na mesa dos investidores.

 
Em outro painel, composto por representantes de instituições do Governo de maioria do programa TI Maior (Startup Brasil, FINEP, Inovativa e Seed MG), foram demonstradas diversas fontes de subvenção que são oferecidas para startups, com potencial desde o momento da ideia, como o Seed MG e Inovativa, até as que já estão em fase de prototipação e operação, demonstrando que apesar da baixa integração entre estas iniciativas, já existe uma maior participação do Governo, abrindo as portas para uma etapa seguinte com a entrada das aceleradoras.

 
Neste momento, líderes das aceleradras Wayra, 21212 e Lab22 falaram sobre os 3 principais critérios em suas escolhas de aceleradoras: complementariedade da equipe, tamanho do mercado e produto. E ai ficou muito claro como a atitude do empreender com uma equipe complementar tem um peso crucial na escolha das startups para o processo de aceleração que inevitavelmente vai culminar no aporte de recursos de investidores.

 
A entrada dos investidores, mereceu um painel dedicado com a presença investidores e investidos do Vduca e HandTalk, fazendo uma forte analogia ao casamento e onde as chances do bom resultado depende muito da forma de diálogo que é construído ao longo do tempo, ficando muito clara a relação de respeito e confiança que deve ser mantida, principalmente, na tomada de decisões que deve ser mantida com os empreendedores, enquanto, que os investidores fazem um papel importante no aconselhamento, principalmente, em decisões estratégicas, passando por orientações jurídicas de como construir um “term sheet” que representa um ponto de partida importante para a resolução de conflitos futuros.

 
Por fim, representantes de empresas bilionárias como IBM e MICROSOFT mostraram seus programas de investimento em startups sinalizando que a energia criativa destas empresas é muito bem vinda dentro do portfólio de investimentos e inovação delas.
Além de tudo isso, houve um excelente momento de networking que sem dúvidas ao verdadeiros empreendedores tem um gosto todo especial, mas esse eu deixo para vocês se preparem e estarem no próximo ano. Confiram no www.anjosdobrasil.net.