De acordo com a ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) existem mais de 28,67 milhões de pessoas conectadas à internet através de operadoras de banda larga no Brasil. Em relação a 2016, houve um aumento de 7,15% de novos contratos, o que significa 1,91 milhões pessoas conectadas.

Esses dados ajudam a explicar o motivo para o crescimento do e-commerce no país, já que o acesso a internet é essencial para a jornada de compra. A 28ª Pesquisa Anual do GVcia da FGV/EAESP mostrou que os dispositivos móveis estão influenciando cada vez mais o varejo online brasileiro.

pesquisa aponta maior influencia dispositivos moveis varejo online

Os dispositivos digitais no Brasil

Um dos motivos que justificam o aumento no número de novos contratos de internet banda larga é o barateamento dos planos de assinatura. Além disso, entre julho e setembro de 2017 foram comercializados 13,7 milhões de dispositivos, entre smartphones e computadores desktop.

Já em 2017, a quantidade de dispositivos móveis já era 1,4 unidades por habitante, ou seja, 280 milhões em circulação. Esse fator contribuiu para o crescimento do varejo online no último ano, se mostrando mais relevante que o varejo tradicional, que vinha de um período difícil de vendas.

pesquisa aponta maior influencia dispositivos moveis varejo online 01

Números do varejo online

Segundo uma pesquisa do E-Bit realizada ainda em 2017, o e-commerce brasileiro faturou no ano passado R$ 47,7 milhões, 7,5% a mais que em 2016. Desse total, 27,3% das aquisições foram realizadas através dos dispositivos móveis. Se levarmos em consideração os últimos cinco anos, o crescimento médio do segmento é de aproximadamente 56,7%.

Os segmenentos que se destacaram no ramo do m-commerce (mobile commerce) em 2017 foram: moda e acessório (15% dos pedidos); casa e decoração (14%); e saúde, cosméticos e perfumeria (12%). Para os próximos 12 meses o E-Bit espera que o share de mercado dos dispositivos móveis aumente 10% em valor absoluto, chegando a 37% de todas as compras online.

E ai, amigo, o que você espera para o futuro do e-commerce?