Devido à crise financeira que se instaurou no país nos últimos anos, muitas pessoas tiveram que achar alternativas para conseguir uma renda extra. Além disso, o período foi marcado por muitas demissões, fato que agravou ainda mais a situação. E uma das soluções escolhidas foi o empreendedorismo.

Esse fato contribuiu para o crescimento do número de pequenas e microempresas no país, fazendo com que 98,5% dos empreendimentos no Brasil sejam de organizações desse porte. Outra motivo que estimula as pessoas a abrirem seu próprio negócio é a confiança que os brasileiros têm nas empresas menores.

pesquisa brasileiros confianca pequenas microempresas

A confiança do brasileiro nas pequenas e microempresas

Uma recente pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelou que os brasileiros confiam cada vez mais em pequenas e microempresas. A base usada como referência é o Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa (MPE), índice que mede a confiança do consumidor em empresas desse porte.

Em dezembro de 2016 a mesma pesquisa atingiu o valor de 48,9 pontos, 2,2 pontos percentuais a menos do que foi auferido no mesmo mês de 2017. Essa é a primeira vez, desde 2015, que o índice finaliza o ano com a marca acima dos 50 pontos, o que demonstra o alto grau de satisfação desses empresários.

pesquisa brasileiros confianca pequenas microempresas 01

A importância do indicador para o empreendedorismo

Em dezembro de 2015 o indicador marcava 40 pontos no MPE, o que demonstrava desconfiança das pessoas nas pequenas e microempresas. Com os atuais 51,1 pontos o empreendedor pode entender melhor o mercado e saber que o consumidor está disposto a investir financeiramente em produtos das marcas locais.

Para Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, a melhora no grau de confiança em empresas menores sinaliza a leve recuperação econômica brasileira recente. Ela revela que a perspectiva para 2018 é de um ano bastante favorável para pequenas e microempresas, com a retomada das contratações e aumento no faturamento.

E aí, amigo, qual a sua perspectiva para as pequenas e microempresas em 2018?