Quem matou o especialista em SEO? Realmente não sei, mas tenho algumas pistas: provavelmente foi o mesmo serial killer que eliminou a profissão de datilógrafo.

 

Você se lembra de quando datilografar em tempo recorde era meio caminho andado para o sucesso em qualquer tipo de emprego? Hoje em dia, as máquinas de escrever se tornaram relíquias e, digitar com agilidade, uma habilidade que sequer chega a ser mencionada em currículos.

 

Uma trajetória semelhante teve a profissão de SEO, do especialista na otimização voltada para os mecanismos de busca, que morreu sem deixar vestígios. Quer entender melhor a causa mortis do SEO? Continue lendo e descubra quem foi o verdadeiro culpado!

 

SEO-digai

 

 

Suspeito 1: Google

 

Trata-se de um personagem acima de qualquer suspeita! Afinal, essa major implementou uma série de programas focada em SEO, como o Search Console e o Google Trends. No entanto, seus algoritmos foram treinados não só para detectar as infames práticas de Black Hat, mas também escanear conteúdos que de fato cumprem o que prometem no quesito utilidade ao usuário.

 

Ao estabelecer a cartilha do conteúdo de qualidade, o Google praticamente “asfixiou” os especialistas em SEO que estavam se lixando para a escrita e só queriam disseminar palavras-chave aleatórias a fim de turbinar as métricas.

 

 

Suspeito 2: os próprios SEO’S

 

Assim que viram suas estratégias e práticas serem aprimoradas pelo mercado e se tornarem conhecidas pelo grande público, os SEO’s se deram conta de que a extinção era inevitável!  Passaram a se refugiar em outras especializações, adquirindo inúmeros certificados e transformando o SEO em apenas um ponto do currículo. Em pouco tempo, voltaram-se contra si próprios, delatando os últimos sobreviventes por meio da autoria de textos sem sentido, cravejados de broad kws, long-tails, Black Hat e White Hat.

 

 

Suspeito 3: os redatores e produtores de conteúdo

 

Os suspeitos de número 3 foram flagrados com a arma do crime nas mãos e o sangue espalhado pela roupa, entretanto negam qualquer envolvimento na morte do SEO! Quando perceberam que era imprescindível conviver com as regras estipuladas pelos SEO’s para se darem bem no marketing de conteúdo, redatores deixaram suas torres de marfim para aprender e aplicar todos os conceitos. Aos poucos, palavras-chave, meta-description e URL’s amigáveis foram naturalmente incorporadas ao processo de produção de texto.
Antes de partir para análise, que tal ouvir o mestre Neil Patel?

 

Mudanças nos algoritmos das ferramentas de busca resultaram num maior foco sobre o usuário. Sim, palavras-chave ainda são importantes a partir do momento em que os usuários realizam suas buscas através delas. No entanto, o que realmente conta não é somente a palavra-chave – mas a intenção por trás de uma determinada palavra-chave e a forma pela qual ela se relaciona com o algoritmo.

 

E então? Já descobriu quem matou o especialista em SEO? Não? Bom, como em todo romance de Sherlock Holmes, aqui vai uma dica! Preste atenção, hein? Imagine que está lendo um artigo num blog e, de repente, seu olhar se distrai com mais de 40 palavras iguais, em negrito, ao longo do texto. Aquilo te incomoda profundamente, porque indica que aquele conteúdo foi feito para justificar as palavras negritadas – e não o inverso! A pergunta é: o que você faria com esse conteúdo?

seo-digai

 

 

Parabéns, você matou a charada… e o especialista em SEO!  Tanto o Google, os próprios SEO’s e os redatores contribuíram com algumas estocadas para a morte do especialista em SEO, mas o mandante foi VOCÊ, na sua busca incessante e crescente por conteúdo de qualidade.  E nesse crime (quase) perfeito, a morte da vítima foi disfarçada pelo fato de que todos os suspeitos se apoderaram de seus atributos. Elementar, meu caro leitor!

 

Encontrou alguma ponta solta na nossa investigação? Não tenha medo e revele-a nos comentários!