O Fórum de Marketing Digital é o maior evento itinerante sobre o tema na América Latina, e esse ano vai passar em todas as capitais do Brasil. O fórum funciona da seguinte forma: profissionais da área são convidados para palestrar ou para um debate com perguntas do público. No coffee break o network rola solto e algumas parcerias são estabelecidas ali, entre um café e outro.

 

Aqui vou comentar os pontos fortes e fracos das palestras e debates, uma opinião particular sobre a experiência que tive durante o dia todo no evento. Vou começar criticando a falta de Wifi, muito comum até em eventos do tipo no Recife, mas precisamos mudar isso urgente. Um evento de marketing Digital sem internet e o hotel cobrando R$ 10. Eu me senti na pré-história. Afinal, água e Wifi não se nega a ninguém.

 

Mas vamos lá…

 
 

Durante a manhã

 

No Primeiro Painel, Javier Hernando da Zanox falou um pouco sobre como o mercado europeu enxerga o nosso trabalho e que somos o quinto mercado da empresa à frente de países como França e Espanha. Mas o ponto Forte mesmo foi o KaduPotinatti, que perguntado sobre o valor que sua empresa cobra dos vídeos que produz , respondeu na lata, arrancando risos do público.

 

OKeynote do Tiago Bueno da IBM começou um pouco devagar, mas foi esquentando e, ressalto aqui a dica do Bluemix, uma plataforma de inovação digital da IBM, gratuita, que entre várias outras coisas, através de uma parceria com o Twitter, permite acesso ao um banco de dados com cinco milhões de twitters, onde você pode estudar seu público alvo.

 

Depois de Tiago, começou o segundo Painel com o tema “Performance: Foco nos resultados”. Confesso que esperava mais de Socorro Macedo, da LeFIL, que quem conhece, sabe que ela tem muito conteúdo para apresentar nesse tema, mas praticamente não falou. Muito pelas inúmeras interrupções, várias vezes desnecessárias, do mediador do evento, Tiago Sarraf. Além do tempo dos painéis serem bem curtos para botar três pessoas para falar. Nesse painel as atenções ficaram voltadas para Alessandro Vieira, da IAGENTE, que falou sobre Email Marketing. Esse foi o ponto alto do painel.

 

A essa altura do campeonato já passava das 12h e João Kepler, Show de Ingressos, tinha a missão ingrata de manter a atenção das pessoas. Mas quem conhece, sabe que ele é uma figura, bastante articulado. E com um tema bem interessante, segurou o público até o final. O único ponto fraco foi o uso de alguns palavrões desnecessários e uma brincadeira com teor racista com algum conhecido, que estava na platéia, o que constrangeu boa parte dos presentes.

 

 

Durante a tarde

 

 

Após o almoço, Vanessa Duarte, da Plug Comunicação, veio com uma palestra interessante sobre gestão de crises e apontou alguns cases seus. Senti falta de abrir para perguntas nos Keynotes, apenas.

 

Um pouco depois das 15h começou, para mim, a palestra mais aguardada, a de Eduardo Port, do Twitter, e ele não decepcionou. Eduardo mostrou algumas campanhas locais e internacionais na rede, falou sobre a dinâmica da linha do tempo, que é bem diferente do Facebook, falou sobre o fenômeno da segunda tela e ainda do gerenciador de anúncios da plataforma, o que me surpreendeu como ela mistura o que tem de melhor do Google e do Facebook nessa área. Algumas possibilidades de segmentações são incríveis.

 

O painel sobre a evolução do Marketing Digital não conseguiu prender minha atenção, e eu corri para o coffee break, onde bati um papo com o Alessandro da IAGENTE, sobre geolocalização na abertura de e-mails. Um tema que muito me interessa para aprimorar segmentação, principalmente com o mobile bombando, como está. No meio da nossa conversa, começou o intervalo e, mais uma vez, a troca de cartões foi a tônica. Para mim, o ponto alto de todo o evento.

 

O Digitalks 2015 entregou o que prometeu e, mesmo em alguns temas sendo um pouco superficial, o formato do evento é bastante interessante, e permite uma troca de experiências única. Valeu pessoal e até o ano que vem.