Resultado da paixão pelo empreendedorismo e pelos games, a startup  Qranio foi criada em 2011 na cidade de Juiz de Fora com um único propósito: tornar o aprendizado divertido. O que pode parecer um conceito comum para muitos, tem uma origem pra lá de simbólica. Isso porque seu criador, Samir Iásbeck, foi uma daquelas crianças que, embora adorasse aprender coisas novas, odiava ir à escola. Apesar deste não ser um fator muito atípico no que tange o universo infantil, tal característica se tornou essencial à medida que Samir foi se inserindo no ramo do empreendedorismo.

 

Samir Iásbeck, CEO e fundador do Qranio

Samir Iásbeck, CEO e fundador do Qranio

 

Filho de uma psicanalista e um engenheiro ambiental, o então CEO do Qranio cresceu em um universo no qual aprender nunca era demais. Ele define sua infância como “construtiva no sentido de empreender, aprender e ver exemplos que funcionaram e outros que não”. A criança de espírito empreendedor cresceu, e com a maturidade vieram os planos.

 

Focado em construir um modelo consistente para a futura empresa, ele estruturou um plano de negócios baseado em social games e compra coletiva, dando assim, base para um plano bem definido, componente fundamental para que uma empresa colha bons frutos. Com os profissionais certos e muito engajamento, nascia o Qranio.

 

 

Mas afinal, do que se trata o Qranio?

 

Ficou claro que unir aprendizado e diversão é seu ponto forte, certo? Se não, eu explico: trata-se de uma plataforma de perguntas e respostas que serve para você testar seus conhecimentos. Para começar a jogar você só precisa se cadastrar, feito isso é só recorrer ao santo Google – ou se arriscar com seu conhecimento prévio – e começar!

 

 

o “Qranio” da empresa

 

 

Contando com usuários em mais de 150 países/territórios que podem usar o aplicativo nos idiomas português, português de Portugal, inglês, espanhol e chinês, a plataforma conta com 15 categorias que envolvem cinema, política, esporte, matemática, literatura e disponibiliza cinco alternativas para cada pergunta. A cada resposta certa você acumula QI$ que podem ser convertidos em prêmios.

 

Desta forma, conforme o jogador aumenta seus QI$ é só escolher o prêmio relativo ao valor acumulado. Vale lembrar que quanto maior for o nível de dificuldade da pergunta, maiores serão os QI$. Mas, para facilitar ainda mais sua vida o aplicativo disponibiliza outras formas de ganhar pontos: reportar ou sugerir perguntas, convidar amigos e até mesmo complementar seu cadastro são algumas delas.

 

Mesmo em pouco tempo de vida, a plataforma já soma diversas conquistas. Uma delas, e talvez a que propiciou maior visibilidade a empresa, foi ter vencido o principal concurso de startup na Campus Party de 2012.

 

Mas como nenhum começo é fácil, os desafios logo aparecem, seja para alcançar um número mínimo de usuários, conseguir investimentos ou obter um nível de produto que agrade a todos os usuários e investidores. Em 3 anos de existência os desafios são outros, mas a meta continua a mesma: sempre surpreender os usuários.

 

Embora o título entregue a palavra “referência” ao citar a empresa, isso ainda é algo a ser conquistado, pelo menos é o que afirma Samir. Para ele, a função do Qranio abrange muito mais do que a empresa propõe atualmente.

 

O objetivo?

 

Se tornar até 2017, a maior referência em aplicativo de educação presente na 1ª tela de todos os smartphones, assim como o Facebook está para redes sociais, Instagram para fotos e Linkedin para redes profissionais.

 

A fim de motivar os alunos de graduação da Faculdade Estácio de Sá, a plataforma anunciou uma parceria com as instituições de todo o Brasil. O projeto consiste em converter as notas e a frequência em QI$, podendo ser trocados por prêmios. “Assim, corroboramos com nossa missão de tornar o aprendizado divertido e nos conectamos com qualquer instituição de ensino que tenha interesse e começaremos este projeto como a Estácio, que esta nos dando todo apoio a partir de seu departamento de inovação,” ressalta o fundador do Qranio. Com data marcada para o início de janeiro de 2015, seu objetivo é criar um programa de conhecimento eficaz o bastante para ser transportado para outras instituições de ensino, inclusive públicas.

 

Disponível para Windows Phone, Android e iOS e Windows, a plataforma que saiu de Juiz de Fora também pretende se internacionalizar. Trata-se da recente parceria com a China Mobile, maior operadora de telefonia móvel do mundo.Com sede estabelecida em Cingapura, sua estratégia é expandir prioritariamente o Qranio e a operação física no Brasil e depois na Ásia.

 

Curtiu? Então baixe o aplicativo ou jogue pelo seu computador e comece já a ganhar prêmios.