Por que algumas ideias pegam, fazem o maior sucesso e outras não?

 

Apesar da qualidade e investimento em propaganda contribuírem para o sucesso de diversas ideias e produtos, isso não explica a história toda.

 

Quantas vezes você já viu aquele vídeo amador, sem nenhum trato especial receber milhares de visualizações? A maioria dos virais são vídeos caseiros.

 

Não são só vídeos. Existem várias histórias em outros formatos, notícias e informações, além de produtos e ideias que contagiam multidões sem muita explicação.

 

Não se trata somente de ser um produto, serviço ou uma piada melhor. Há algo mais que faz com que uma ideia seja mais popular que outra e se torne contagiante e viral.

 

Segundo pesquisas, há fatores que tornam o conteúdo mais propenso a se espalhar.

 

No livro “Contágio – Por que as coisas pegam”, Jonah Berger explica o que torna um conteúdo contagioso. Segundo o autor, seis são os princípios das ideias que pegam:

 

1-  Moeda Social

 

Nada mais poderoso do que a recomendação pessoal, que desde sempre funcionou. Quantos de nós ficamos propensos a experimentar um produto ou visitar um lugar altamente recomendado por um amigo?

 

Se por um lado, gostamos de ouvir as opiniões de outras pessoas, é certo também que gostamos de compartilhar nossas impressões.

 

Dois neurocientistas de Harvard descobriram que divulgar informações sobre o “eu” é intrinsicamente recompensador. É mais do que vaidade, portanto.

 

As pessoas compartilham coisas que causem uma boa impressão a respeito delas mesmas para os outros.

 

Compartilhar ideias inteligentes, farão as pessoas parecerem mais inteligentes, coisas engraçadas farão com que elas pareçam divertidas e, assim por diante.

 

Basta olhar o Facebook, Twitter, Linkedin para ver isso funcionando na prática: desejamos compartilhar nossas opiniões e pensamentos, além das experiências boas e ruins.

 

O boca a boca é uma ferramenta primordial, é uma moeda social.

 

2-  Gatilhos

 

É preciso lembrar as pessoas de falar sobre suas ideias. Como fazer isso? Através dos gatilhos, ou seja, estímulos que fazem as pessoas pensarem em coisas relacionadas ao seu produto ou ideia.

 

Pessoas falam sobre o que passa pela cabeça delas. Então, precisamos pensar em ideias que sejam acionadas e criar os gatilhos.

 

Sabe aquela ideia de que ninguém fala de empresa sem graça, produtos sem graça e anúncios sem graça? Esqueça. É isso mesmo, esqueça. Segundo Berger, os gatilhos são os responsáveis por falarmos de coisas que “achamos sem graça”. Basta utilizar o gatilho corretamente. Um gatilho forte pode ser muito mais eficiente que um slogan cativante.

 

Produtos interessantes não sustentam níveis elevados de atividade boca a boca ao longo do tempo. Eles não rendem mais boca a boca contínuo que os sem graça.

 

Estímulos no ambiente podem determinar pensamentos que ficam na cabeça, por mais sem graça que possam parecer. Exemplo: se você for como eu, toda vez que alguém te perguntar “pode ser?”, você vai se lembrar da Pepsi.

 

Se na seção de bebidas do supermercado estiver tocando música francesa, é bem possível que a maioria das pessoas comprem vinho francês.

 

Pensamentos e ideias levam à ação. Se eles se repetem a todo momento, mais provável que eu reaja a eles.

 

3-  Emoção

 

Já reparou como as ideias emocionais são compartilhadas com frequência? Por isso as ideias e mensagens devem ser elaboradas de modo que façam as pessoas sentirem algo.

 

As mensagens de Marketing tendem a focar na informação. Nem sempre as informações bastam.

 

Quando for falar de um produto, não fale somente as funções dele, mas enfoque as sensações e sentimentos que ele causa.

 

As emoções são responsáveis por impelirem pessoas à ação. As emoções nos fazer rir, chorar, gritar, falar, compartilhar e comprar.

 

 

Se você deseja que algum conteúdo seu tenha mais chances de se tornar um viral, atente para esses princípios.

 

Essa semana, você conheceu os três primeiros. No post da próxima semana, você conhecerá os detalhes dos outros três princípios.