Aconteceu no sábado, 12/04/13, o 1º Encontro de Criatividade Digital no Recife, confira a agenda completa do evento aqui. Nele estiveram presentes blogueiros famosos, celebridades do youtube e profissionais conceituados das áreas de gerenciamento e estudo de mídia. O público, formado majoritariamente por estudantes – não necessariamente dos cursos de comunicação – teve a tarde do sábado dedicada à análise da realidade de quem se dedica ao universo da comunicação online.

 

Ao todo foram 4 blocos de mesa redonda, cada um com um grupo específico – blogueiros de design, publicitários e geeks, entretenimento e famosos do youtube – e também palestras de conteúdo direcionadas para : “Construção de conteúdos atraentes para usuários exigentes”, com Marcela Costa ; “O que pode melhorar nas ferramentas para social media monitoring”, com Fátima.

 

Para Marcela Costa, o termo usuário é muito limitante para aqueles que interagem nas redes sociais. Afinal, quem interage é ativo na comunicação digital. Seria melhor chamá-lo de consumidor.E quem consome não só utiliza mas também avalia aquilo que está usando, e se não gostou, este consumidor prontamente deixa a sua avaliação do produto na rede. Bom exemplo, desta interação do consumidor-avaliador, é o Reclame Aqui.
Assim, temos quatro conceitos importantes sobre o cenário no qual estamos vivendo hoje. O primeiro deles é a convergência midiática, afinal consumimos um mesmo conteúdo por plataformas diferentes (TV, rádio, impressos, internet, entre outros.). Outro fundamental é a inteligência coletiva, estudada por Pierre Levi em 1989, que caracteriza-se pela nova forma de pensamento sustentável através de conexões sociais que se tornam viáveis pela utilização das redes abertas de computação da internet. Por exemplo, coloque “como criar uma startup” em um buscador e após um click você verá inúmeros depoimentos –  sites, blogs e ferramentas – postadas por pessoas do mundo inteiro que, por variados motivos, estão compartilhando as suas informações para qualquer um que precise delas. Fantástico, não?! O terceiro conceito importante é o das redes sociais online, porque redes sociais sempre existiram – basta existir pessoas e necessidades comuns para que prontamente formem-se redes. Porém, hoje, elas estão fortemente atuantes no âmbito digital, estão online. Então, para muitos há a impressão de que este é um fenômeno apenas decorrente da existência da internet. Mas, não é.

 

“No ambiente digital apenas ampliamos nossas conexões.”  Marcela Costa.

 

A quarta é tida como cultura participativa, significa que o consumidor hoje não só assiste, mas comenta na internet o que achou, viu, sentiu. Enfim, “põe a boca no trombone”, como diz o ditado.

 

Analisando este cenário contemporâneo, as estratégias explanadas por Marcela são: utilizar a linguagem adequada ao tipo de blog e assunto explanado; ter periodicidade nos posts; prezar pela qualidade do conteúdo mais do que pela quantidade; publicar textos originais e saber desenvolver boa curadoria de conteúdos; caprichar no título; mostrar conteúdos com multimídia – imagens, vídeos, infográficos – e responder aos comentários do público.

 

Nas mesas redondas, a pergunta que mais se repetiu foi: “Se ganha dinheiro com blog?”. As respostas, de modo geral, convergiram para : Não é fácil. A jornada é extensa, mas dá para se planejar e através de metas é possível, SIM, ter uma boa renda a médio e/ou longo prazo. Podemos citar, assim, o exemplo dos blogueiros do JOVEM NERD, que são uns dos mais bem-sucedidos da área. Dentre as formas de se ganhar money estão os links patrocinados (aqui no DIGAÍ postamos um pouco sobre isso, clique neste link e saiba mais)  e a formação de parcerias com empresas – o bom e conhecido “uma mão lava a outra”, você mostra a um gerente de marketing de uma empresa, que tem produtos afinados com a proposta do seu blog, e diz: “No último mês tive 15 mil acessos, quer colocar um anúncio na minha página?”.

 

 

Outra questão importante abordada foi “o que motiva os blogueiros a continuarem escrevendo?”, já que nem sempre – e nem todos – ganham dinheiro com isso. A resposta: “Sei que o conteúdo que publico serve para informar as pessoas. Tenho a consciência de que não estou falando sozinho, há comentários, elogios.”, informou Iran Pontes, blogueiro do Design Culture e criador do evento. Outro ponto importante foi “O que levar em conta na hora de escrever?”. E para isso não se tem muito mistério. É preciso consumir muita informação para poder filtrar e saber o que o seu público precisa. E, também, saber que dependendo da mídia em que a informação for postada, há diferentes maneiras de passar o conteúdo – seja de forma muito resumida ou bem especificada. Dentro do próprio universo digital, existem formas e formatos diferentes de mídias. O pulo do gato é identificá-las e postar adequadamente em cada uma.

 

Fátima, que trabalha na E.life desde a sua criação em 2004, mostrou a novidade lançada pela empresa. Gratuita até o fim de Abril deste ano (30/04/13), porque está em fase de testes, o BuzzMonitor é uma excelente ferramenta para Pequenas e Médias empresas. Todos sabem que não basta pôr o peixe na praça, é preciso saber qual é o público da praça para não errar na venda. Geralmente, as empresas grandes e de forte atuação no mercado sabem disso e contratam consultorias especializadas para realizarem o mapeamento do seu público, inclusive no âmbito digital. E, é para este meio digital que se destina a ferramenta. Com um preço mais acessível é ideal para as PMEs.

 

Bom, segue o link para a ferramenta  e também alguns vídeos dos criativos que estão fazendo sucesso no mundo digital, por meio do canal no youtube.

 

Temos: a vlogueira pernambucana do “Oh my god”

 

 

 

Os bem-humorados do “Putzvéi”

 

 

 

 

Além de Fernando Lima do “Sem roteiro”

 

 

 

Até a próxima!