O Facebook cresceu muito e hoje é um gigante quase incontrolável. Mas como nem só de coisas boas as grandes empresas são compostas, diversos escândalos fazem parte dessa evolução. E uma das bases desses problemas pode ter sido após lançarem a estratégia de, em poucas palavras, crescer de qualquer forma, porém, isso agora está sendo visto com outros olhos.

Há algumas semanas, a empresa informou uma revisão na sua política de distribuição de bônus a seus funcionários e passará a privilegiar o critério de “bem social” para pagar valores extras. No momento, o critério para bônus eram pontos como aumento da base de usuários e de compartilhamentos realizados dentro da rede social.

Like Facebook

Fonte: Pixabay.com

Facebook pagará bônus para quem for do bem

A novidade também foi anunciada aos trabalhadores há pouco tempo, e visa ajudar na solução de problemas sociais, como discurso de ódio e desinformação, que estão se proliferando em um ritmo acelerado dentro da rede.

Ao oferecer benefícios para os funcionários, de acordo com a resolução dessas questões, o Facebook pagará bônus esperando transformar a sua plataforma em um ambiente mais agradável e confiável para os seus usuários.  

Facebook Audiência

Fonte: Pixabay.com

Como o Facebook pagará bônus

O Facebook ainda não deixou claro como os avanços do “bem social” serão medidos e como os bônus serão calculados a partir disso. O diretor de tecnologia da empresa, Mike Schroepfer, reconhece que não existe uma fórmula simples, mas coloca que um dos critérios seria a quantidade de perfis falsos removidos todos os dias, “será a primeira vez que avaliaremos isso”, esclareceu o executivo.

Se essa ideia vai dar certo, só com o tempo será possível descobrir, mas a mudança não deixa de ser um sinal muito importante dentro do Facebook. E a novidade vem acompanhada de outras ações relevantes com o intuito de combater os discursos de ódio e as fake news, como mais transparência em anúncios, parcerias com agências de verificação de fatos e medidas para evitar interferência nos processos eleitorais.

E aí, amigo, o que achou dessa nova medida?