Fique de olho nas marcas daqui em diante. O visionário Mark Zuckerberg já se pronunciou e o mercado também já acredita que a tendência é o crescimento estrondoso de vídeos no mundo virtual, seja para o entretenimento seja para divulgar informações dos mais diversos gêneros.  Várias pesquisas já apontam esse cenário, como a Cisco, que divulga anualmente dados sobre o futuro da Web. A edição mais recente do Visual Networking Index (VNI) aponta quatro forças que estão por vir: aumento da quantidade de usuários, mais dispositivos conectados, expansão da velocidade de conexão e a explosão do vídeo. Até 2019, o consumo de vídeos, por exemplo, representará cerca de 80% de todo o tráfego da Internet, e ainda, será cerca de 80% de todo o tráfego móvel.

A revolução tecnológica que uniu internet e a mídia televisiva, certamente, será a maneira de conexão mais poderosa para aproximar as marcas dos consumidores. E ainda tem gente que duvida e critica a ação de anunciantes que já se relacionam dessa maneira. Muitos se sentem enganados, quando descobrem que um vídeo interessante tem uma mensagem publicitária, mas se esquecem que as empresas somente se aproveitam do comportamento do internauta, que se torna um vendedor quando compartilha e recomenda algo em suas redes sociais. Lembra-se da campanha da Nokia – Perdi meu amor na balada? A compaixão dos usuários com a dor do rapaz que perdeu o número do telefone da futura namorada aumentou o sucesso da mídia. Após a “descoberta”, rolou um boicote. Contudo, a visibilidade já havia sido estrondosa.

Neymar vende chocolate

Recentemente, o atleta Neymar aprontou mais uma. Nem foi na balada nem na concentração de algum jogo da seleção. O atleta foi garoto propaganda de uma marca de chocolate, após fingir que seguiria uma carreira também soltando o gogó. Os fãs ficaram ansiosos quando o atacante postou uma mensagem no Twitter dizendo que lançaria sua primeira música por meio de um vídeo em sua conta no Facebook. Quando postado, rapidamente, o vídeo viralizou. O rapaz fez a farra, positivamente. Afinal, quem criou a campanha acertou na criatividade. Palmas para a Bold, AlmapBBDO, InPress e Integer/OutPromo. Veja o vídeo para entender:

Depois, em outro comunicado, contando a verdade da mensagem, Neymar assume que sua performance nos teclados não passava de uma brincadeira. Brincadeira para que o chocolate Snickers, marca da fabricante Mars, ganhasse visibilidade para uma ação do produto. “Com a promoção, reiteramos a aproximação de Snickers com todo o universo do futebol, com público jovem e antenado, além de materializar nosso conceito global de forma ainda mais divertida”, disse André Abreu, gerente de marketing da Mars Brasil para Snickers, explicando a estratégia, que contou ainda com o cantor Wesley Safadão na “farsa”.

A estratégia ideal

O vídeo tem uma estética de amadorismo. Parece gravado com um celular, sem cuidados. Um amigo do atleta ri ao fundo. Eles se divertem. A voz do suposto cantor não combina. Esse cenário é a motivação ideal para a estratégia da viralização. Os dedos nervosos da geração millennials espalham informações freneticamente. São o target perfeito para tais produtos que investem em marketing digital. Uma nova maneira de visibilidade para as marcas que utilizam a impaciência dessa galera para alcançar seus objetivos de venda. É algo ruim? De maneira alguma. Esse é o comportamento da atualidade: a pressa do check in do WhatsApp, onde as respostas são do imediatismo.

O que o público deve ter cuidado, se não quiser ser enganado, é observar as artimanhas das empresas. Ou aceitar que esse é o novo jeito de consumir. Não é possível aceitar somente a velha mídia, quando o mundo caminha para técnicas em que o audiovisual reina. Vive-se em constantes emboscadas. E Neymar é plataforma jovem, uma voz de apaixonados pela bola, pelo esporte, com carisma que chega até aos que fecham os olhos para o futebol. O atleta tem talento nos pés, mas, sobretudo, para vender como garoto propaganda. Preste atenção em suas atitudes. Afinal, ninguém tira o calção no meio do campo para ajeitar o uniforme de frente para as câmeras vistas em inúmeros países. Em prol da Lupo, sim, foi um golaço. E cantar fora do tom foi mais uma das belas táticas da genialidade digital.

Qual a sua opinião sobre a estratégia da Snickers? Comente aqui embaixo para conhecermos seus pensamentos. Neymar é o garoto propaganda ideal?