Nem só de hashtags vive a internet em momentos de ataques às liberdades individuais. Algumas empresas que oferecem seus serviços on-line decidiram mostrar solidariedade às vítimas dos ataques à França, neste 13 de novembro, e a sua rede de amigos, contribuindo com ferramentas úteis e valiosas neste momento de medo e comoção mundial. Confira algumas das melhores reações na internet aos ataques em Paris da semana passada nesta seleção de boas ações.

 

 

Airbnb

 

A ferramenta, que une quem precisa de acomodação a quem tem um espaço para oferecer, já possuía um interessante programa de resposta a desastres. Após os ataques em Paris, a empresa contatou todos os seus anfitriões situados na cidade, alertando sobre a necessidade urgente de acomodação. Como incentivo, dispensou todas as taxas de serviço para quem decidiu abrigar os necessitados.

 

 

airbnb-paris

E-mail enviado aos usuários airbnb

 

 

Google

 

A gigante das buscas liberou sua ferramenta Hangouts para realizar chamadas gratuitamente à França. Um recurso válido para quem deseja realizar diversas ligações, em busca de notícias sobre conhecidos ou familiares. Além disso, a página inicial do Youtube passou a destacar um link para “últimas notícias”, do canal France 24.

 

 

youtube-stand-with-paris

 

 

Microsoft

 

Também visando facilitar a comunicação das pessoas que estão em Paris com o resto do mundo, a Microsoft decidiu liberar, através do Skype, todas as chamadas nacionais e internacionais para telefones fixos e celulares na França. A ferramenta ainda é bastante usada por jornalistas e facilita a disseminação de notícias verídicas, de maneira rápida.

 

 

skype-stand-with-paris

 

 

Facebook

 

Criado após o desastre causado por um grande tsunami no Japão, em 2011, o recurso “Facebook Safety Check” voltou a ser disponibilizado para que usuários avisassem a toda sua rede que estavam bem, após os atentados em Paris. O recurso facilita a transmissão da informação, principalmente para aqueles parentes ou amigos mais distantes, ou também em caso de não conseguirem outra forma de contato.

 

 

paris-terror-attacks-facebook

 

 

Apesar da resposta positiva da maioria dos usuários, muitos questionaram a plataforma por não disponibilizar o recurso para diferentes ataques, como os muitos que já aconteceram durante este ano. A polêmica fez com que o próprio Zuckerberg se pronunciasse. Ele afirmou que, ele e a equipe do Facebook “vamos trabalhar duro para ajudar pessoas que sofrem em muitas dessas situações como pudermos”, em tradução livre.

 

 

mark-stand-with-paris

 

 

Outra ação da plataforma foi disponibilizar um filtro de imagem de perfil com a bandeira tricolor francesa, que pode ser usado aqui.

 

 

Ação dos usuários

 

Além das empresas, muitos usuários também se mobilizaram como puderam para demonstrar solidariedade às vítimas. No Twitter, a hashtag #PorteOuverte, que significa “porta aberta”, foi utilizada para conectar pessoas precisando de abrigo a quem tinha um lugar para oferecer. Alguns tweets com a hashtag receberam mais de 1.000 retweets.

 

 

hashtag-porte-ourvete

 

 

Para manifestar apoio, também surgiram: #PrayForParis #ViveLaFrance #notafraid #PrayForTheWorld, e algumas outras.

 

 

 

kim-pray-for-paris

 

 

jared-pray-for-paris

 

 

Para quem reclamava do “ativismo de sofá”, ele parece cada vez mais ativo, você não acha? Estas reações na internet aos ataques em Paris nos lembram que estamos apenas começando a viver o digital como realidade. Enquanto isso, cada um vai mostrando ao mundo o pouco que tem a oferecer. Alguns têm bunda, é certo. Mas outros também têm um belo e grande coração para revelar. #PrayForTheWorld