No final de Junho, participei da DEMO BRASIL (www.demobrasil.com.br) com minha startup de simuladores 3D para capacitação de equipes de vendas com o produto VENDA FÁCIL (www.morosconsulting.com.br). Foram mais de 500 projetos submetidos na América Latina e pouco mais de 30 projetos em estágio de produto ou protótipo – e 20 de ideias de produtos ainda a serem desenvolvidos.Nos EUA este evento lançou empresas como: E*Trade, Autonomy, Java, Picasa, Salesforce, WebEx, TiVo, VMware e milhares de outras.

 

Após a confirmação da aprovação, a surpresa: o evento aconteceria na terça e quarta e teríamos que chegar no sábado para nos prepararmos para o “PITCH” de 6 minutos que seria realizado para um público estimado de 500 pessoas entre empreendedores, investidores e potenciais clientes. Afinal, o que faz com que alguém precise se preparar por 3 a 4 dias para apenas 6 minutos de apresentação na minha startup que eu conheço profundamente?

 

Durante os dois dias, descobri que conhecer profundamente um negócio pode ser uma grande obstáculo para quem precisa simplesmente explicar que vale a pena investir ou contratar um empresa com um equipe de 3 ou 4 pessoas, muita vontade e muitas vezes nenhum cliente.

Descobri que os rápidos 6 minutos são mais que suficientes para quem precisa entender e se interessar por algum negócio. Descobri que investidores querem muito mais conhecer a “história do empreendedor e do empreendimento” que planos de negócios com estimativas imprecisas.

Descobri que não existe idade para se fundar uma startup, afinal, havia empreendedores de 20 e poucos a 60 e muitos anos de idade, mas todos com a chama de tornar suas ideias, protótipos ou produtos no mais novo grande negócio digital.

Descobri que investidores de risco são pessoas acessíveis e muitos deles são empreendedores que acumularam recursos com muito trabalho e que agora destinam um percentual de seu patrimônio para arriscar em startups em diversos estágios, onde irão investir não apenas o seu dinheiro, mas o seu tempo e experiência executiva e rede de contatos para alavancar o negócio.

Descobri que é muito importante a startup escolher o seu investidor, pois no Brasil ele será seu sócio e não é saudável ser sócio de quem não se conhece ou não se sente bem em trabalhar junto.

Descobri também que para trazer um evento destas proporções um grande empreendedor teve que liderar, e neste caso há um nome: Geraldo Santos. Foram muitas descobertas.

 

 

Mas, sem dúvidas, a maior descoberta aconteceu após a definição dos dois vencedores na categoria DEMONSTRATOR (produto ou protótipo) e ALPHA (ideia). EMOTION. ME e BABYSAVER não apresentaram grandes inovações tecnológicas, mas tanto em seus produtos, quanto em seus PITCHs relacionaram a solução DIGITAL com temas EMOCIONAIS. Isso não é coincidência, mas parece um padrão, onde se percebe que quanto mais a tecnologia avança, maior é necessidade de humanizar as startups. Sem dúvidas foram os 6 minutos mais ricos que vivi em toda minha história empreendedora.