Faaaaala, caro leitor e estimada leitora que está aqui conosco em busca de conhecimento relevante para elevar o seu negócio, ou você que está em busca de conhecimento para abrir o seu negócio.

 

 

O SETOR QUE A CRISE AINDA NÃO CONSEGUIU PARAR

 

E por falar em abrir o próprio negócio, hoje, quando eu estava me preparando para escrever sobre storytelling – assunto que há tempos quero escrever aqui – veio-me uma notícia que me fez voltar atrás na minha intenção de escrever sobre storytelling e acrescentar mais um post sobre franquias.

 

Nos post anterior, falei sobre as vantagens e desvantagens de se abrir uma franquia. No último tópico “Por que o setor de Franquias é o último a entrar em crise e o primeiro a sair dela”, apontei o faturamento do setor de franquias em 2014, R$ 117 bilhões.

 

Acabei de receber a notícia, vinda da convenção que a Associação Brasileira de Franchising realizou na Bahia, de que em 2015 o mercado de franquias cresceu, isso mesmo, CRES-CEU 8,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2014. De julho a setembro de 2014, o setor faturou R$ 32,5 bilhões. No mesmo período, em 2015, o faturamento foi de R$ 35,5 bilhões.

 

 

O OÁSIS NO MEIO DO DESERTO

 

Não é novidade para ninguém que a crise fechou, este ano, mais de 400 mil postos de empregos. O padrão de consumo conquistado nos últimos 12 anos foi brutalmente afetado. Mesmo assim, o setor de franquias cresceu. Ao olhar para o setor em franco crescimento em meio a esse turbilhão econômico pelo qual o país passa, é de se pensar: “Isso não está acontecendo no Brasil”. Mas está. É a realidade nua e crua.

 

A presidente da ABF, Cristina Franco, apontou que a perspectiva de crescimento do setor fique entre 7% e 10% em 2015 em comparação ao ano passado. E que, por mais que os empresários franqueadores tenham ficado mais cautelosos devido à recessão, seus planos de expansão não foram paralisados pela crise. Mais franquias estão sendo abertas e mais marcas estão alcançando o reconhecimento do mercado nacional.

 

Em todos os setores vemos que a crise chegou e se instalou. O fato mais evidente disso foi o estouro da bolha imobiliária. Mas, quando olhamos para o setor de franchising, vemos que ele está praticamente imune à crise.

 

 

QUERO TER UMA FRANQUIA. POR ONDE COMEÇAR?

 

Diferente de alguns setores, o setor de franquias é democrático. Como assim? Existem franquias que cabem em diversos tipos de bolsos; podemos assim dizer. Um exemplo disso são as microfranquias. O modelo é exatamente igual ao das franquias convencionais. No entanto, a principal características delas é o valor do investimento. Pode ser de R$ 5 mil a R$ 80 mil.

 

Surgiram há pouco mais de 5 anos e são regulamentadas as franquias convencionais sob a lei 8955/94. Só para ter uma noção, em alguns mercados, as microfranquias expandem mas rapidamente do que as convencionais.

 

Além da faixa de investimento ser um atrativo bastante vantajoso, as microfranquias têm custos fixos mais baixos e retorno mais rápido. A única desvantagem é que a taxa de mortalidade é mais alta: 8,4% contra 3,7% das franquias convencionais.

 

Quer ter uma franquia As microfranquias podem ser uma excelente porta de entrada para você no mundo do franchising.

 

Um grande abraço

 

Até a próxima.