O Facebook anunciou, na terça-feira (2), que não vai desenvolver o botão “dislike”. Depois de muitas especulações, enfim o Facebook se pronuncia pondo um ponto final na conversa. O Facebook não terá um botão de “dislike”. Ainda bem, não é mesmo?

 

Não sei vocês, mas eu estou aliviada. Nunca gostei da ideia de um botão negativo. Sempre que a vontade de público pelo “dislike” ressurgia, eu me lembrava de um depoimento muito interessante de David Karp, o criador do Tumblr, sobre o porquê de a rede social dele não ter um botão de “não gostei”. No ano passado, em entrevista para a revista Veja, Karp disse o seguinte:

 

“Desde o início, tivemos medo de atrair conteúdo negativo. As grandes redes sociais, depois de ganhar adesão significativa, passam a receber uma grande quantidade de comentários nocivos – isso aconteceu no MySpace, no YouTube e também no Orkut. O YouTube, apesar de ser um lugar cheio de criatividade, não deixa de ser um ambiente muito hostil. Acho que o Twitter também começa a trilhar esse caminho. É uma pena. Quando você está no Twitter ou no YouTube fazendo o que gosta, é horrível se aparece alguém e o chama de gordo ou idiota. A minha teoria é que o produto pode incentivar ou desmotivar esse tipo de comportamento. Usuários do Tumblr só são habilitados a gostar dos conteúdos que veem (uma espécie de “Curtir” do Facebook) ou a se omitir. Elas não têm a opção de reprovar o que viram, como no YouTube. Além disso, ninguém pode simplesmente aparecer e deixar uma mensagem ofensiva no meu blog: é preciso seguir meu perfil para poder comentar. Mas tudo isso acontece no seu espaço: ninguém pode passar pela minha página e deixar uma mensagem maldosa”.
Eu acho interessante esse princípio. No Tumblr é como aquele ditado, se você não tem nada bom para dizer, não diga nada. Mas se você quer interagir de alguma forma, identifique-se e faça uma pergunta. O Facebook parece ter optado por seguir nessa mesma direção.

 

Mas e se alguém postar alguma reclamação ou disser que algo negativo em sua página e alguém quiser dizer que também não gostou daquele fato? Um botão “dislike” não seria útil nesse caso? Vejam a resposta de Bob Baldwin, engenheiro de produto do Facebook:

 

“As ações no Facebook tendem a focar em uma interação social positiva. O botão “like” é uma forma leve e fácil de expressar um sentimento positivo. Eu não acho que adicionar uma forma leve e fácil de expressar um sentimento negativo seria tão valioso. Eu sei que há várias ocasiões nas quais o botão “dislike” faria sentido, como quando um amigo está tendo um dia difícil, ou se envolveu em um acidente de carro com a minha irmã ontem (ela está bem!). Nessas horas, um comentário legal de um amigo teria um ótimo resultado”.

 

É isso aí.

 

Entrevista completa de David Karp à revista Veja: http://ow.ly/jXH6X 

 

Depoimento de Bob Baldwin sobre o botão “dislike”: http://ow.ly/jXH4S