A expectativa para o final do ano de 2018 é que o e-commerce continue a crescer, principalmente pelo aumento da confiança do consumidor em relação à internet e a melhoria da economia brasileira. De acordo com um estudo realizado pelo Relatório Webshoppers, da empresa Ebit, o comércio eletrônico atingirá 119,7 milhões de pedidos durante o ano inteiro, volume quase 10% maior do que em 2017.

lojistas virtuais buscam profissionalizar ecommerces marketplaces

O marketplace

Existe um nicho dentro do e-commerce que está ganhando muita força nos últimos anos: o marketplace. É um espaço virtual disponibilizado por empresas grandes e lojas parceiras, permitindo que outras empresas também possam vender seus produtos ali. Mesmo tendo de pagar comissão, os lojistas recebem o benefício da quantidade enorme de tráfego desses sites famosos, aumentando as chances de serem vistos por mais pessoas.

Em 2017, o marketplace representou 18,5% do total de vendas do comércio eletrônico no Brasil, o que corresponde a R$ 8,8 bilhões. A previsão para esse ano, claro, é de engrandecer esses números. Por enquanto, as notícias são boas: o modelo do e-commerce está sendo cada vez mais aderido pelas empresas.

lojistas virtuais buscam profissionalizar ecommerces marketplaces 01

Investimento do Facebook

Um dos maiores marketplaces do país é a Amazon, que aposta nesse modelo de mercado há anos. A inovação mais recente da empresa foi aplicar a opção de vendas de produtos usados em resultados de busca. Entretanto, foi com a entrada do Facebook nesse nicho que os olhos se viraram para a mais nova tendência do e-commerce.

Com um experiência de compra diferenciada, o consumidor economiza na oferta de preço e recebe melhorias na qualidade dos serviços, enquanto que o vendedor passa a ter mais uma plataforma, a maior rede social do mundo, como aliada na hora de oferecer seus produtos.

E aí, amigo, que tal inserir o seu negócio em um marketplace?